Apresentação  | Cronologia  | Fortuna Crítica  | 
década de 50                           déc 20      déc.30      déc. 40      déc. 60/70


Beryl Tucker Gilman
passa a ser sua companheira


Retrato de Beryl
- 1954/55 -


Com o Presidente Juscelino
em frente a tapeçaria no
Palácio da Alvorada


É convidado e participa da I Bienal de São Paulo, 1951. Faz uma doação generosa ao Museu de Arte Moderna de São Paulo, constituída de mais de quinhentos desenhos. Beryl Tucker Gilman passa a ser sua companheira. Nega-se a participar da Bienal de Veneza. Recebe a láurea de melhor pintor nacional na II Bienal de São Paulo, prêmio dividido com Alfredo Volpi. Em 1954 o MAM, Rio de Janeiro, realiza exposição retrospectivas de seus trabalhos. Faz novas exposições na Bacia do Prata, retornando à Montevidéu e Buenos Aires. Publica Viagem de minha vida. 1956 é o ano de sua participação na Bienal de Veneza e recebe o I Prêmio da Mostra Internacional de Arte Sacra de Trieste. Adota Elizabeth, filha de Beryl. Seus trabalhos fazem parte de exposição itinerante por países europeus. Recebe proposta de Oscar Niemayer para a criação de imagens para tapeçaria a ser instalada no Palácio da Alvorada também pinta as estações para a Via-sacra da catedral de Brasília. 


Aldeia de Pescadores
 - c. 1950 -


Mulata com Pássaro
- déc. 50 -

 

mais obras da década de 50

 
década de  50                           déc 20      déc.30      déc. 40      déc. 60/70